A OMS incluí "burnout" na lista de doenças


O burnout, conceito geralmente traduzido como "esgotamento profissional", entrou na Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial de Saúde (OMS).



A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou esta segunda-feira, dia 27 de maio de 2019, que passou a incluir na lista de doenças o «burnout», estado de esgotamento físico e mental causado pelo exercício de uma atividade profissional.
A entrada do «burnout» (ou stress profissional) na nova classificação internacional de doenças da OMS, que vigorará a partir de 1 de janeiro de 2022, baseia-se nas conclusões de peritos de saúde de todo o mundo e foi adotada pela Assembleia-Geral da OMS, Estados-membros em Genebra de 20 de maio a 28 de maio.
Na classificação internacional de doenças da OMS, que serve de base para as estatísticas de saúde, o «burnout» surge na secção consagrada aos «problemas associados» ao emprego e desemprego, sendo descrito como «uma síndrome resultante de ‘stress‘ crónico no trabalho que não foi gerido com êxito».
A doença, de acordo com a OMS, caracteriza-se por «um sentimento de exaustão, cinismo ou sentimentos negativistas ligados ao trabalho e eficácia profissional reduzida».